Publicidade

Estado de Minas EDUCAçãO | NOVOS CURSOS

Conheça os cursos que preparam para as profissões do futuro

Impressoras 3D, inteligência artificial e outras tecnologias prometem transformar o mercado de trabalho. Veja o que instituições de ensino de Belo Horizonte têm oferecido para ajudar a preparar os profissionais do futuro


postado em 28/02/2018 14:05

O tecnólogo em jogos digitais Gustavo Freitas:
O tecnólogo em jogos digitais Gustavo Freitas: "É um campo crescente e que não está saturado de profissionais" (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Imagine dez alunos do primeiro ano do ensino fundamental, de 6 ou 7 anos de idade, que começaram neste fevereiro suas aulas. Quando crescerem, será que vão se tornar advogados, médicos, engenheiros, analistas de sistemas, nutricionistas? Pois saiba que, independentemente da profissão que você imaginar, provavelmente estará errado. Dados do relatório sobre o futuro dos empregos do Fórum Econômico Mundial de 2016 estimam que 65% das crianças entrando atualmente na escola primária trabalharão em funções que ainda não existem. Devido a fatores como a evolução tecnológica - responsável por ferramentas como inteligência artificial, impressão 3D, big data, transporte autônomo e internet das coisas -, especialistas preveem que as mudanças no mundo produtivo serão profundas e acabarão com atividades atualmente consideradas essenciais. Além disso, outras, que não conseguimos imaginar sendo executadas de qualquer outra forma, não serão mais feitas por nós, humanos, e sim por robôs.

Mas muito antes de esses pequenos terem de se preocupar com carreira, salários e emprego, quem está entrando agora no mercado ou já atua nele há anos precisa se adaptar e se preparar para as mudanças mais iminentes do mundo produtivo. Por isso, instituições de ensino têm desenvolvido ou adaptado cursos de graduação, pós-graduação, MBA e outros, de olho na dinâmica do mercado e no que o público tem procurado.

A  administradora Jéssica Barbosa se matriculou em uma pós sobre big data:
A administradora Jéssica Barbosa se matriculou em uma pós sobre big data: "Trabalho em uma institução financeira que está se estruturando para usar a ciência de dados" (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
A começar pelos temas: inovação, transformação digital, ciência de dados, direito voltado para a tecnologia, cidades inteligentes, gestão de startups, indústria 4.0. Tudo muito novo e, para algumas pessoas, ainda indecifrável. Mas não para a administradora Jéssica Barbosa, de 26 anos. Já com uma pós em auditoria interna e externa, ela acabou de se matricular em um novo curso, uma pós de ciência de dados e big data, pois prevê que em breve a ferramenta será útil em seu trabalho de auditoria - e acredita que dominar a área pode ser um diferencial para uma possível promoção. "A empresa vem se estruturando para usar a ciência de dados, então já estão procurando pessoas com esse conhecimento", afirma. Segundo Jéssica, na instituição financeira em que trabalha, o big data tem potencial para ser aplicado de diversas formas, como para identificar mais precisamente o perfil de consumo do cliente. "Se a pessoa pesquisa na internet sobre casamento, ao identificar isso, o banco pode oferecer uma linha de crédito nesse segmento", exemplifica.

De acordo com o coordenador de pós-graduação do UniBH, Esdras de Oliveira Eller, mudanças da chamada quarta revolução industrial têm acontecido com maior velocidade em empresas no exterior, onde já se veem projetos de automatização nas indústrias, inserção de robôs, entre outras iniciativas. Contudo, diz que já se vê no horizonte certa movimentação por aqui. "A expectativa é de que as transformações cheguem ao Brasil nos próximos anos, especialmente com a retomada do crescimento econômico, quando  as empresas devem voltar a investir em ferramentas que tragam eficiência ao processo e aumento da produtividade", explica. Por isso, cursos voltados para o entendimento e domínio de novas tecnologias, além da mudança na cultura e gestão dos negócios, têm sido bastante procurados.

O professor Hugo Tadeu, coordenador do núcleo de inovação e empreendedorismo da Fundação Dom Cabral:
O professor Hugo Tadeu, coordenador do núcleo de inovação e empreendedorismo da Fundação Dom Cabral: "Os executivos devem enxergar além da realidade deles, da estrutura de gestão das empresas" (foto: Samuel Gê/Encontro)
O fato de algumas dessas formações serem recentes - em detrimento de cursos com décadas de tradição e dezenas de turmas já graduadas -  não tem afugentado candidatos. O tecnólogo em jogos digitais Gustavo Freitas, de 20 anos, não teve receio ao marcar o ‘x’ na inscrição do vestibular. Ele conta que se formou no ensino médio com curso técnico de programação de computadores. Familiares e amigos, então, assumiram que ele iria optar por ciência da computação (que já tem cerca de 50 anos no Brasil) na faculdade. "Eu tinha interesse na área de games e sabia que é um campo crescente e que não está saturado de profissionais. Teria mais oportunidades do que se fosse tentar algo mais tradicional, só por ser mais consolidado", afirma. Funcionou: ele se graduou em dezembro e já está empregado em um estúdio de jogos digitais em BH.

Para sua carreira, Gustavo também julgava importante fazer um curso que lhe ensinasse mais do que apenas a parte técnica. "Jogos envolvem também a questão artística, para a qual precisamos contribuir", conta. Essa multiplicidade e convergência de áreas já vem sido considerada, há algum tempo, essencial para os mais diversos profissionais. Os cursos, assim, também tiveram de se adaptar. Desde o início dos anos 2000, a UFMG tem se pautado por essa proposta de confluência de áreas, conta o pró-reitor de graduação, Ricardo Takahashi. "Várias instituições de referência no mundo têm promovido novas combinações de conhecimento", afirma. Segundo ele, em março deste ano entra em vigor um conjunto geral de normas na graduação que envolvem, por exemplo, a obrigatoriedade da formação complementar (fazer um número mínimo de disciplinas em outro curso). "A expectativa é de que por meio desse mecanismo passemos a ter mais possibilidades de diversificar o currículo dos alunos", diz. Já no Ietec, a proposta de alguns dos cursos mais recentes é a intensificação da carga horária, para que formações tradicionalmente mais longas, com mais horas/aula, possam ser finalizadas em um tempo menor — um MBA de 360 horas pode ser feito em seis meses, por exemplo.

Esdras de Oliveira Eller, coordenador de pós-graduação do UniBH:
Esdras de Oliveira Eller, coordenador de pós-graduação do UniBH: "A expectativa é de que muitas das mudanças trazidas pela tecnologia cheguem ao país com a retomada do crescimento econômico" (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
E não apenas quem está iniciando sua trajetória no mercado de trabalho ou quem ocupa cargos mais operacionais precisa se preocupar com toda essa transformação. A alta liderança, mesmo que ocupando cargos mais estratégicos e com carreira mais consolidada, também precisa fazer parte do processo. "Os executivos devem enxergar além da realidade deles, da estrutura de gestão atual das empresas, que ainda opera no modelo analógico", afirma o professor Hugo Tadeu, coordenador do núcleo de inovação e empreendedorismo da Fundação Dom Cabral, que possui programas de transformação digital voltados para o alto escalão das empresas. "Esse mundo analógico, o planejamento estratégico tradicional e o modelo tradicional de investimento não se sustentam mais", afirma. Pelo visto, independentemente da profissão, você deve se armar para essa revolução.

Alguns dos cursos oferecidos em BH com foco nas transformações e demandas mais recentes do mercado de trabalho

Business Management (Global MBA)
Programa de desenvolvimento de competências gerenciais e comportamentais, concebido para aprimorar a atuação nos aspectos-chave da gestão de negócios. Possui módulo internacional, realizado em Chicago (EUA), coaching individual on-line e acesso a bibliotecas virtuais de importantes editoras, como Harvard e Pearson
Onde: Ibmec
Duração: 480 horas
Quanto custa: R$ 33.600

Jogos digitais (graduação tecnológica)
Tem objetivo de formar e atualizar profissionais para o mercado de produção e desenvolvimento de jogos digitais e áreas afins. As habilidades desse profissional permitem que ele atue também em outras áreas, como novas mídias e no desenvolvimento de aplicações interativas
Onde: Fumec
Duração: 3 anos
Quanto custa: R$ 981,55 / mês

Redes inteligentes de energia - Smart Grid (Pós-graduação lato sensu)

O objetivo é fornecer conhecimentos teóricos e práticos para realização de projetos nas áreas de eficiência energética, automação do sistema elétrico, geração distribuída, fontes alternativas de energia, sistemas de medição, todo no âmbito da engenharia elétrica
Onde: UniBH
Duração: 432 horas
Quanto custa: R$ 8.735,40

Indústria 4.0 (Pós-graduação lato sensu)
Procura capacitar os profissionais com conhecimentos teóricos e práticos relacionados à gestão da indústria 4.0, com uma visão organizacional sistêmica e estratégica da área, atualizando-o sobre o tema para as mais modernas técnicas e inovações atuais do mercado
Onde: UniBH
Duração: 432 horas
Quanto custa: R$ 8.735,40

Legal tech: direito, inovação e startup (Pós-graduação lato sensu)
Dá a advogados, empreendedores, investidores ou empresas interessadas em corporate venture a oportunidade de montar programas de inovação junto a startups, membros de incubadoras ou aceleradoras, formuladores de políticas públicas e outros, bem como a compreensão dos aspectos societários, tributários e contratuais envolvidos na concepção, estruturação, captação de recursos e sucesso de uma startup
Onde: PUC Minas Virtual
Duração: 18 meses
Custo: R$ 5.800

Ciência de dados e big data (Pós-graduação lato sensu)
O objetivo é desenvolver competências e habilidades técnicas voltadas para a criação de produtos e realização de análise de dados, por meio de disciplinas direcionadas ao estudo e utilização de tecnologias disponíveis no mercado para o big data e para a gestão dos dados
Onde: PUC Minas Virtual
Duração: 18 meses
Custo: R$ 5.800

Transformação Digital e novos modelos de negócios (programa aberto)
Tem como objetivo debater os avanços da digitalização dos negócios e os desafios da inovação para uma gestão contemporânea. Nesse programa, as organizações serão estimuladas a refletir, apresentar problemas e buscar soluções relacionadas a sua cultura organizacional, com foco na aplicabilidade de novas tecnologias e processos transformadores
Onde: Fundação Dom Cabral
Duração: 40 horas (módulo único)
Quanto custa: R$ 7.900

Gestão de Cidades Inteligentes (MBA)
Tem o objetivo de ser o elo entre gestores e especialistas que estudam as transformações globais que afetam as cidades e os conglomerados. Visa formar líderes aptos a atuarem no novo cenário da economia compartilhada, preocupados em transformar os espaços urbanos, tornando-os mais humanos, sustentáveis e inteligentes
Onde: Newton Paiva
Duração: 18 meses
Quanto custa: R$ 659 / mês

VANT’s (drones) para Aplicações Civis e Comerciais (MBA)
Tem o objetivo de capacitar o profissional com uma visão organizacional sistêmica e estratégica da área. O conteúdo traz aspectos de construção e manutenção de drones, pilotagem e aplicações em diferentes áreas
Onde: UNA
Duração: 1 ano
Quanto custa: R$ 14.581,28

Gestão de Startups e PMEs (MBA)
Visa capacitar profissionais que desejam se iniciar no mundo corporativo como empreendedores, mas também empresários e gestores de pequenas e médias empresas para que aprendam as estratégias de gestão dos modelos de negócios enxutos e de startup
Onde: UNA
Duração: 1 ano
Quanto custa: R$ 13.365,92

Gestão Ágil de Negócios e Projetos (MBA)
Tem como objetivo proporcionar aos profissionais uma visão objetiva e prática sobre o gerenciamento ágil de processos e projetos de quaisquer áreas no dia a dia das empresas, contribuindo para melhorar a performance do negócio
Onde: Ietec
Duração: 360 horas (em 6 meses)
Quanto custa: R$ 12.000

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade