Publicidade

Estado de Minas AGRICULTURA

Plantas e seres humanos precisam de cálcio

Nutriente é essencial para nosso organismo


postado em 17/09/2018 14:20 / atualizado em 17/09/2018 14:24

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

Responsável por transformar tecido mole em ósseo, o cálcio também é importante para manter a permeabilidade das células, além de proteger o corpo contra infecções, toxinas e substâncias estranhas. Esse nutriente atua ainda na coagulação sanguínea, nas funções neuromusculares, ajuda no controle da obesidade e até na regulação dos batimentos cardíacos.

"Mais de 99% do cálcio fica concentrado nos ossos e dentes dos indivíduos e corrresponde a 1,5% a 2,0% do peso corpóreo", informa o engenheiro agrônomo Valter Casarin, diretor científico da organização Nutrientes para a Vida.

A falta de cálcio no organismo pode acarretar osteoporose, raquitismo, dentes frágeis, cáries frequentes, insônia, arritmia, palpitações, além de câimbras, cólicas menstruais, bruxismo, queda de cabelos, unhas frágeis e quebradiças e síndrome de pernas inquietas.

Não são apenas os seres humanos que necessitam de cálcio. As plantas também sofrem danos irreparáveis, sem o mineral em quantidades suficientes para manter a qualidade de frutas e legumes. Segundo Casarin, o nutriente tem efeito essencial na firmeza e amadurecimento dos frutos, ou seja, "a carência de cálcio está associada ao amolecimento precoce, e apodrecimento rápido". "Quando em quantidade correta, o, cálcio desacelera o processo de amadurecimento, resultando em um produto saudável por mais tempo", comenta o especialista.

Em baixas concentrações, a substância estimula a absorção de outros íons. "O cálcio é indispensável para manter a estrutura e o funcionamento normal das membranas, particularmente da plasmalema. Influi, de modo predominante, no equilíbrio entre a acidez e a alcalinidade do meio e da seiva", diz o engenheiro agrônomo.

Uma das principais funções do cálcio na planta é integrar a parede celular. Sua falta afeta particularmente os pontos de crescimento da raiz, sendo também indispensável para a germinação do grão de pólen e crescimento do tubo polínico.

"A deficiência é visualizada em pontos de crescimento que ficam necrosados e em  folhas novas que apresentam clorose", afirma Valter Casarin.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade