Publicidade

Estado de Minas MEIO-AMBIENTE

Além dos danos à saúde, o cigarro também afeta a natureza

O alerta é da Organização Mundial de Saúde, que aproveita o Dia Mundial Sem Tabaco para pedir restrições ao fumo


postado em 31/05/2017 08:53

Além dos danos à saúde pública, a produção e o consumo de produtos derivados do tabaco geram importantes impactos socioambientais em todo o planeta – um deles é o uso de lenha para aquecer estufas que secam as folhas, o que leva ao desmatamento e ao desequilíbrio da biodiversidade. O alerta é da Organização Mundial da Saúde (OMS).

No Dia Mundial Sem Tabaco 2017, lembrado nesta quarta, dia 31 de maio, a entidade vinculada à ONU adotou como tema da campanha Tabaco: Uma Ameaça ao Desenvolvimento. A proposta consiste num apelo aos países-membros para que implementem medidas consistentes de controle do tabaco, incluindo a proibição de todo tipo de marketing e publicidade relacionados ao assunto, além da adoção de embalagens simples para os produtos e o aumento de impostos especiais voltados para o setor.

Saúde e economia

Dados da OMS mostram que o consumo do tabaco mata mais de 7 milhões de pessoas todos os anos e custa aos lares e aos governos mais de US $ 1,4 trilhão, em razão de despesas com saúde e da perda de produtividade. "O tabaco ameaça a todos nós. Ele exacerba a pobreza, reduz a produtividade econômica, contribui para pobres escolhas alimentares domésticas e polui o ar interior", comenta Margaret Chan, diretora-geral da OMS.

"Entretanto, por meio da adoção de medidas robustas de controle, os governos podem salvaguardar o futuro de seus países protegendo usuários e não usuários desses produtos mortais, gerando receitas que financiam a saúde e outros serviços sociais, salvando seus ambientes das devastações provocadas pelo tabaco", complementa Margaret.

Ainda segundo a OMS, os impactos do tabaco e de seus derivados na natureza envolvem danos como:

  • Resíduos de cigarro contêm mais de 7 mil produtos químicos tóxicos que envenenam o meio-ambiente, incluindo substâncias cancerígenas

  • Emissões de fumaça proveniente do tabaco contribuem com milhares de toneladas de gases tóxicos e de efeito estufa na atmosfera

  • Cerca de 66% dos 15 bilhões de cigarros vendidos diariamente no mundo são descartados na natureza

  • Bitucas de cigarro respondem por até 40% de todos os itens coletados em limpezas costeiras e nas cidades

A entidade da ONU alerta ainda que o tabaco representa ameaça a todo tipo de população e também ao desenvolvimento nacional e regional dos países sob diversos aspectos, incluindo:

  • Pobreza: cerca de 860 milhões de fumantes adultos vivem em países de baixa e média renda. Estudos mostram que nos lares mais pobres, gastos com produtos derivados do cigarro representam mais de 10% do orçamento, o que significa menos renda para alimentação, educação e saúde

  • Infância e educação: as plantações de tabaco comprometem o acesso de crianças à escola, já que até 14% das famílias que vivem em fazendas onde o produto é cultivado perdem aula em razão do trabalho na lavoura

  • Mulheres: cerca de 70% dos trabalhadores de lavouras de tabaco são mulheres, o que as coloca em contato constante com produtos químicos perigosos à saúde

  • Saúde: o cigarro responde por cerca de 16% de todas as mortes provocadas por doenças crônicas não transmissíveis

Brasil

Dados do Instituto Nacional do Câncer indicam que, em 2011, foram gastos R$ 23 bilhões com o tratamento de algumas das mais de 50 doenças relacionadas ao tabagismo. Já a arrecadação com impostos sobre cigarros recolhidos no mesmo ano foi da ordem de R$ 6 bilhões.

"Mas, o custo do cigarro no Brasil, avaliado pela pesquisa, ainda está subestimado: não incluiu o custo gerado pelo absenteísmo, a perda de produtividade, as despesas das famílias, entre outros gastos indiretos relacionados ao tabaco", destaca a OMS.

(com Agência Brasil)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade