Publicidade

Estado de Minas CONSUMIDOR

Remédios anti-inflamatório e contra hipertensão são suspensos pela Anvisa

A agência suspendeu lotes de hidroclorotiazida e piroxicam


postado em 08/06/2017 13:18

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) interditou o lote 6562015 do medicamento à base do princípio ativo hidroclorotiazida, fabricado pelo Laboratório Teuto Brasileiro S/A. O remédio é destinado ao tratamento de pressão alta foi interditado, segundo a Anvisa, devido aos resultados laboratoriais insatisfatórios.

Segundo o laudo de análise fiscal emitido pelo Laboratório de Saúde Pública do Goiás, o lote 6562015 apresentou resultado não suficiente para o ensaio de dissolução. As unidades de hidroclorotiazida (com validade até 11 de 2018) comprimido, 50 mg, foram, portanto, interditadas pela agência.

A Resolução 1.501, de 6 de junho de 2017, que determina a interdição do lote do medicamento fabricado pela Teuto foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) de quarta-feira, dia 7 de junho.

Anti-inflamatório

A Anvisa interditou também o lote B16J2232 do medicamento Floxicam. O anti-inflamatório não esteroide à base de piroxicam é fabricado pela Brainfarma Indústria Química e Farmacêutica S.A e foi interditado após a apresentação de resultados laboratoriais insatisfatórios, informa a Anvisa.

O laudo de análise fiscal foi emitido também pelo Laboratório de Saúde Pública de Goiás. De acordo com o resultado do exame, o lote B16J2232 apresentou falhas no ensaio de teor, o que motivou tal ação da Vigilância Sanitária.

Assim como o remédio contra hipertensão, a Anvisa publicou a Resolução 1.460, de 2 junho de 2017, que foi publicada no Diário Oficial da União e determinou a interdição cautelar do lote em questão do medicamento Floxicam, cápsula gelatinosa dura, de 20 mg e com validade até 10 de 2018.

(com Ascom da Anvisa)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade