Publicidade

Estado de Minas ECONOMIA

Desemprego é mais que um problema econômico

Especialista mostra que a falta de emprego afeta também a inserção do indivíduo na sociedade


postado em 10/07/2017 15:16

Num período em que nossa economia vem se regenerando de uma crise sem precedentes, ainda é comum observar índices mais elevados de desemprego. Mas, além de uma questão trabalhista, a falta de emprego também afeta o emocional e as relações sociais dos brasileiros.

Como mostra a professora Belinda Mandelbaum, do departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia da USP, é preciso considerar que o trabalho não é só fonte de renda ou de sustento, mas tem também um papel central na saúde mental e inserção social das pessoas. "Ele é formador de uma rede social que me confere um certo lugar, que me permite estabelecer vínculos que se desdobram em outras coisas", comenta a especialista.

É justamente a capacidade de construção de vínculos sociais que o desemprego compromete, produzindo o que se chama de condição de vulnerabilidade psicossocial. Para além dos vínculos há diversos outros motivos pelos quais o trabalho é importante, como ressalta a professora. Trata-se, por exemplo, de uma atividade fundamental para a manutenção de uma certa rotina no cotidiano. "O trabalho é uma inserção no tempo, na cidade. Em especial o trabalhador pobre, quando perde o emprego, fica isolado em casa", afirma Belinda.

A pesquisadora destaca também o fato de o trabalho ser parte de como as pessoas veem e concebem a si mesmas: "ele é um elemento constitutivo da identidade. Aquilo que você faz tem uma incidência profunda na sua identidade, tanto para si mesmo, como perante o social. Freud disse que sobre dois grandes pilares se assenta a saúde mental: sobre o amor e sobre o trabalho".

Papel na família

A situação de desemprego muitas vezes coloca em jogo a identidade social do trabalhador, inclusive quando ela produz transformações nos papéis que cada pessoa ocupa na família. "Numa cultura machista e patriarcal como a nossa, a identidade do homem está atrelada a sua identidade como trabalhador e provedor", comenta a professora da USP.

Entretanto, as mulheres se encontram numa posição mais maleável para conseguir trabalho, dada a própria condição precarizada de atividades a elas atribuídas, com baixa remuneração e pouca garantia de direitos, lembra Belinda Mandelbaum.

O espaço da família é também onde muitas vezes se reproduzem outras formas de lidar com o desemprego que podem gerar tensões, conflitos e estresse, como responsabilizar o indivíduo sem emprego por sua condição.

"Uma ideologia muito corrente é que o desemprego é um problema pessoal. Se a pessoa está desempregada é porque ela tem algum problema, porque quer, não se organiza, não tem força de vontade, não estuda o suficiente e deveria voltar para a faculdade, etc. Isso coloca no indivíduo a causa principal do seu desemprego", afirma a pesquisadora. O problema, diz Belinda, é que esta maneira de entender a questão não só ignora o papel mais geral da economia, mas pode acabar apenas culpando a pessoa desempregada sem que haja o acolhimento e diálogo que poderiam ajudá-la a enfrentar sua situação.

(com Jornal da USP)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade