Maioria dos universitários ficam estressados durante o curso

Estudo feito na USP revela que as instituições de ensino devem dar mais atenção à saúde dos estudantes

por Encontro Digital 27/07/2017 09:52

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Santos/USP Imagens/Divulgação
Como mostra o pesquisador da USP, a pressão do ensino universitário pode afetar drasticamente a vida do estudante, levando a problemas sociais e de saúde (foto: Marcos Santos/USP Imagens/Divulgação)
Muitas páginas de grupos de universitários e inúmeros memes (piadas visuais) levam humor às redes sociais ao criticarem a sobrecarga de trabalho que os estudantes do nível superior costumam ser submetidos, principalmente na época de provas e entregas de trabalho. As brincadeiras tentam cumprir um papel de válvula de escape para a tensão. Mas, a despeito delas, o estresse pode ser um problema sério na vida de quem estuda.

Um estudor ecente sobre o tema aponta que quase a totalidade dos estudantes acabam sendo portadores de alguma forma de exaustão, o que pode afetar muito mais do que apenas o desempenho acadêmico, como também levar a pessoa a desistir do curso e ter problemas para realizar atividades do dia a dia.

Um trabalho do Hospital Universitário da USP adentrou esse universo nas instituições particulares. Ao se deparar com 102 alunos da uma das maiores universidades privadas do estado de São Paulo, o pesquisador Felipe Moretti percebeu que somente um dos indivíduos que participaram do estudo não sofria de algum tipo de estresse.

"É preocupante que somente um dos pesquisados não tenha apresentado nenhuma forma de estresse. Fomos atrás de mais membros para a pesquisa e o resultado foi ainda mais alarmante. Cerca de 90% do grupo sofria de algum tipo de estresse que pudesse ser perigoso à saúde", comenta o pesqusiador.

Segundo Felipe Moretti, as evidências permitem concluir que muitas vezes as universidades se transformam em verdadeiras "máquinas de moer gente". Ele conta que trabalha em cursos de relaxamento aplicado nas universidades há cinco anos e que, ao se deparar com os resultados de diversos membros do corpo discente da instituição, percebeu que parte importante desse estresse vinha da própria rotina do curso.

"A maioria dos pesquisados evidenciou que a razão do seu estresse envolvia o seu curso e a universidade. Isso demonstra um problema na forma como atualmente o conhecimento é transmitido. Ele é entendido como um produto, de forma a ser produzido em larga escala, através de fichamentos, trabalhos e provas que tornam uma atividade que deveria ser envolvente em maçante", esclarece.

Assim, a atual rotina de estudos é muito extenuante devido ao modo como entendemos o ensino. Em parte em razão da cobrança excessiva pelos professores, mas que também encontra ressonância dentro do corpo estudantil, através da autocobrança dos universitários, explica Moretti. Outro fator de preocupação identificado por ele foi o tempo curto para tarefas e conteúdos extensos, somado à falta de coordenação pedagógica, dificultando-se assim o caminho do aprendizado.

"O conhecimento é muitas vezes entendido como várias caixas fechadas, mas ele é mais amplo que isso, e os alunos se desmotivam com coisas assim", diz o pesqusiador da USP, ao criticar ainda a falta de tempo para o grande volume de atividades. "O aluno não dá conta de manter uma vida pessoal e social ativa".

A ausência de uma vida pessoal e social eleva ainda mais o estresse, em um círculo vicioso. As pessoas perdem seu contato com parentes e amigos e também não têm como realizar uma atividade relaxante em seu tempo livre. "Uma dança, o seu esporte favorito ou seu hobby são desestressantes, tendo efeitos no corpo e na mente", completa o pesquisador.

Para Felipe Moretti, a busca por novos meios de repassar o conhecimento e por entender a realidade dos alunos, além de oferecer atividades extracurriculares, são ferramentas para prevenir o estresse. Que pode ser grave o suficiente a ponto de levar estudantes ao uso de estimulantes, a abandonarem o curso, prejudicarem sua saúde pessoal e, em casos extremos, à morte – de forma indireta ou cometendo suicídio.

"Como rever certas formas de avaliação e alguns processos do formalismo acadêmico que por vezes inibem as nossas fronteiras da construção do saber? As novas gerações já não se enquadram mais em nossas antigas formas", reflete.

(com Jornal da USP)

Últimas notícias

Comentários