Publicidade

Estado de Minas TECNOLOGIA

Jovens estão ficando viciados no jogo Fortnite

Muitos americanos estão levando os filhos para reabilitação


postado em 30/11/2018 11:30 / atualizado em 30/11/2018 11:51

(foto: Epic Games/Divulgação)
(foto: Epic Games/Divulgação)

Produzido pela Epic Games, Fortnite é um dos jogos de maior sucesso da atualidade e reúne mais de 200 milhões de jogadores em todo o mundo, em batalhas que misturam armamento variado e construção de escadas e barreiras que ajudam nas táticas de defesa e/ou ataque. Junto à possibilidade de matar inúmeros "inimigos", para se classificar em primeiro lugar no servidor – o game é no estilo battle royale, um "mata-mata geral" –, os gráficos coloridos também ampliam o apelo do game, especialmente entre crianças e adolescentes. Ele está disponível para computador, consoles e até smartphones.

O problema, segundo matéria publicada no portal americano Bloomberg, é que muitos pais dos Estados Unidos estão tendo de levar os filhos para clínicas de reabilitação contra o vício nesse game.

"Esse jogo é como a heroína [opioide]", comenta a especialista em comportamento Lorrine Marer, em entrevista ao portal americano. Ela trabalha com crianças que lutam contra o vício em jogos. "Uma vez que você está viciado, é difícil se soltar", completa Marer.

A Epic Games já emitiu vários alertas sobre como evitar hackers no Fortnite, mas não quis comentar a questão do vício ao ser procurada pelo Bloomberg.

Vale lembrar que o vício em games não é uma novidade. Tanto é que, este ano, a Organização Mundial de Saúde (OMS) incluiu esse problema em sua Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID), uma espécie de "enciclopédia" de doenças que está disponível para profissionais de saúde do mundo todo.

Desde o Atari

Pais e professores têm se preocupado com as crianças distraídas e presas aos joysticks desde a época do saudoso console da Atari, que mudou a forma como as pessoas lidam com o entretenimento doméstico. Mas, atualmente, jogos como o Fortnite conseguem afetar muito mais jovens, virando uma "ameaça" mais generalizada, segundo Lorrine Marer. O mesmo vem acontecendo com o uso excessivo das redes sociais e dos smartphones.

Para quem não sabe, o Fortnite foi lançado para computadores em setembro de 2017 e não está causando problemas apenas para as crianças. Recentemente, um serviço de divórcio online do Reino Unido divulgou um comunicado informando que havia recebido 200 petições de casais em separação e o motivo mais citado como desculpa para o desquite era justamente o Fortnite.

Até atletas profissionais estão sendo "fisgados" pelo viciante jogo no estilo battle royale. O time do Vancouver Canucks, da liga de hóquei dos Estados Unidos e do Canadá, teve tanto problema com jogadores que faltavam às reuniões e aos jantares que precisou banir o Fortnite durante as viagens da equipe.

David Price, arremessador do time de beisebol americano Boston Red Sox, vencedor da World Series Baseball, ficou de fora do jogo contra o arquirrival New York Yankees por causa de problemas no pulso que podem ter piorado devido às "jogatinas" de Fortnite, de acordo com o Bloomberg.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade