Tomate está sendo o 'vilão' do sacolão

O produto subiu nada menos que 83% na Ceasa de Belo Horizonte

por Da redação com assessorias 22/02/2018 09:40

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Segundo análise feita pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), o tomate foi o produto que mais sofreu elevação de preço nas Centrais de Abastecimento no mês de janeiro. Além disso, ele deve continuar pesando no orçamento dos brasileiros nos próximos meses. Os dados fazem parte do 2º Boletim Hortigranjeiro, divulgado pela Conab nesta quinta-feira, dia 22 de fevereiro, que inclui os preços de diversas variedades de produtos. As informações foram captadas em entrepostos de oito estados brasileiros.

Ainda conforme o boletim, o percentual de alta nas capitais chegou a 95,6% em Vitória; 83% em Belo Horizonte; 77,7% em Goiânia; e 66,1% no Rio de Janeiro. Nos demais mercados, o percentual ficou na casa dos 33,8% em São Paulo; de 31,1% em Curitiba; de 39,8% em Recife; e de 35,85% em Fortaleza.

Para a Conab, quem pode "salvar" as contas da feira é o mamão, que teve queda de preço e grande oferta em janeiro. "É esperado que nos próximos meses haja uma redução do volume plantado, em virtude do desestímulo de alguns produtores com a pouca rentabilidade, aliada à diminuição das floradas do período", comenta Erick Farias, gerente de Modernização do Mercado Hortigranjeiro da Conab. "Verificamos preços menores principalmente no Rio de Janeiro, com baixa de 10,68%", completa o especialista.

A fruta também caiu de preço nos estados de SP (0,24%), ES (6,61%), PE (0,37%) e PR (8,95%). O mamão só apresentou leve alta nos mercados atacadistas de Minas Gerais (0,92%) e Ceará (8,45%). No estado de Goiás, a média foi mais alta, com aumento de 23,93% no preço.

O estudo aponta também que as exportações caíram cerca de 50%, algo próximo a 1,8 mil toneladas, enquanto que no mesmo período do ano passado atingiu 3,8 mil toneladas. Entre os motivos estão o desestímulo pelo preço, a má qualidade dos produtos devido a chuvas e menores canais de escoamento do produto sobretudo para a União Europeia.

(com assessoria de imprensa da Conab)

Últimas notícias

Comentários