Minas Gerais é destaque na produção de mandioquinha

Sul do estado reúne as condições ideais para o cultivo desse tubérculo

04/05/2018 13:49

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nuno Madeira/Embrapa/Divulgação
(foto: Nuno Madeira/Embrapa/Divulgação)
Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), as lavouras brasileiras de mandioquinha ocupam uma área equivalente a 15 mil hectares e movimentam cerca de R$ 2 bilhões anuais, sendo que as regiões sul e sudeste respondem por quase a totalidade da produção. Minas Gerais lidera o ranking de estados produtores, com uma safra estimada em mais de 67 mil toneladas, somente no ano passado, em uma área que totaliza mais de quatro mil hectares.

O desempenho da mandioquinha no sul de Minas é destaque nos munícipios de Ipuiuna, Espírito Santo do Dourado, Guaxupé e Pouso Alegre, sendo estes últimos os principais produtores. Com altitudes superiores a mil metros, essas localidades reúnem as condições ideais para o cultivo e o desenvolvimento da hortaliça: possuem clima ameno o ano inteiro, como ocorre na região da Cordilheira dos Andes, onde surgiu o tubérculo.

Também conhecida por batata-baroa, batata-salsa ou batata-aipo, a mandioquinha foi introduzida no Brasil no início do século XX e ganhou espaço nas regiões serranas do sul e do sudeste. Mais recentemente, a cultura também passou a ser cultivada no Planalto Central, em locais com altitude superior a mil metros.

Vale dizer que a espécie também assume importância econômica na Colômbia 0 onde é chamada de arracacha – que divide com o Brasil o status de maior produtor mundial.

(com assessoria de imprensa da Embrapa Hortaliças)

Últimas notícias

Comentários