Até que ponto o mel faz bem para a saúde?

Poucos sabem, mas o alimento das abelhas tem mais carboidratos que o açúcar comum

por João Paulo Martins 21/06/2018 09:49

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Apesar de ser um alimento sempre associado à dieta saudável, quase a totalidade das calorias do mel são provenientes de seu açúcar natural. Curiosamente, o produto cultivado pelas abelhas possui mais carboidratos do que o açúcar branco comum: uma colher de sopa de mel possui 17 g de carboidratos, enquanto a mesma quantidade de açúcar possui 13 g. Então, fica a pergunta: o mel é realmente benéfico para nosso organismo?

"Devido ao seu alto teor de frutose, o mel é cerca de uma vez e meia mais doce do que o açúcar comum", comenta a famosa nutricionista americana Melissa Joy Dobbins, em entrevista para a revista Women's Health, especializada em saúde e fitness. Com isso, ao substituir o açúcar das receitas pelo mel, o certo é reduzir a quantidade até pela metade, já que a capacidade de adoçar do alimento das abelhas é bem maior.

Mas, quem disse que ele é apenas uma fonte de "carboidratos vazios"? O mel contém flavonoides e ácidos fenólicos (antioxidantes poderosos), de acordo com Dobbins, junto com boas quantidades de minerais, como potássio, que equilibra os eletrólitos (geram cargas negativas e positivas) do organismo; cálcio, que ajuda na formação dos ossos; e ferro, que previne a anemia.

Ainda assim, a nutricionista lembra que a composição do produto depende da florada usada pelas abelhas e que, como o consumo é feito em pequenas quantidades, é preciso adquirir esses nutrientes também por meio de outras fontes.

Uma dica importante é adquirir o hábito de adoçar o chá com o mel. Isso porque uma pesquisa publicada pela revista científica Frontiers in Microbiology descobriu que a substância açucarada produzida pelas abelhas ajuda no combate ao resfriado. Ela ainda contém bactérias que realmente interferem na capacidade de multiplicação de micro-organismos perigosos, fazendo com que os antibióticos funcionem de forma mais ativa.

Apesar de termos cerca de três mil variedades de mel em todo o mundo, Melissa Dobbins diz que não há diferenças significativas na composição de cada um desses produtos.

Ainda conforme a especialista o mel é saudável para todos, com exceção dos bebês. As crianças menores de 1 ano não devem consumir o alimento das abelhas. "Ele pode conter esporos de Clostridium botulinum [bactéria], que pode causar botulismo infantil, uma doença rara, mas grave, que ataca o sistema nervoso e pode causar paralisia. O mel é, no entanto, seguro para desfrutar durante a gravidez ou na amamentação", esclarece Melissa à Women's Health.

Outra dica da nutricionista é que se faça o consumo consciente de mel. "Ele deve ser tratado como qualquer outro tipo de açúcar", completa.

Últimas notícias

Comentários