Publicidade

Estado de Minas BEM-ESTAR

Dermatocalaze pode ser tratada com blefaroplastia

Problema típico da velhice causa excesso de pele nas pálpebras


postado em 01/03/2019 08:45 / atualizado em 01/03/2019 08:55

(foto: Pixabay)
(foto: Pixabay)

Já ouviu falar na dermatocalaze? Apesar do nome estranho, essa condição leva ao aumento excessivo de pele na região das pálpebras. Como consequência surgem dobras que dificultam o movimento palpebral superior, devido ao peso e à perda da força do músculo levantador das pálpebras.

A dermatocalaze também pode afetar as pálpebras inferiores, devido ao deslocamento da gordura orbital ou ainda pelo enfraquecimento do septo orbital, resultando em bolsas de gordura sob os olhos.

Segundo a oftalmologista Tatiana Nahas, da Santa Casa de São Paulo (SP), o aumento excessivo de pele nas pálpebras está muito associado ao processo natural do envelhecimento, que leva a uma maior flacidez da pele e enfraquecimento de músculos e tecidos. "A dermatocalaze pode também ter ligação com condições como tabagismo, perda da elasticidade da pele, enfraquecimento do tecido conjuntivo das pálpebras, insuficiência de colágeno, orbitopatia relacionada à tireoide, insuficiência renal, traumas na região, cútis laxa, Síndrome de Ehlers-Danlos [pele fica muito elástica], amiloidose, edema angioneurótico hereditário e xantelasma [depósito de gordura]", comenta a especialista.

Esse problema costuma ser confundido com a ptose palpebral, que é caracterizada pela queda das pálpebras. "É muito importante diferenciar a dermatocalaze da ptose palpebral. Inclusive, esse excesso de pele pode se apresentar como uma pseudoptose, mas são diagnósticos diferentes. Há ainda outros diagnósticos diferenciais que o médico precisa descartar quando se trata de dermatocaláze", afirma a oftalmologista.

De acordo com Tatiana Nahas, o tratamento padrão para a dermatocalaze é a blefaroplastia, cirurgia plástica que ajuda a remover o excesso de pele e devolver o padrão estético das pálpebras.

A médica lembra que o envelhecimento natural é o principal fator de risco para essa condição. Mas, adotar bons hábitos, como não fumar, proteger os olhos do Sol, diminuir a ingestão de sal e sódio e manter a pele das pálpebras bem hidratada podem ser medidas preventivas.

"Lembrando que quando a dermatocalaze está relacionada a outras doenças, não há como prevenir. Nesse caso, o mais importante é procurar um oftalmologista especialista em blefaroplastia, também chamado de oculoplasta, para avaliar o quadro e realizar a cirurgia", diz a especialista.

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade