Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Menino de 4 anos encontra fósseis de 500 mil anos na Argentina

O achado arqueológico se deu numa praia de Buenos Aires


postado em 06/07/2016 11:03

Encontrar vestígios arqueológicos não é uma tarefa fácil. Agora, imagine se esse trabalho for feito por uma criança. Isso mesmo. Na Argentina, um garoto de apenas 4 anos foi responsável por descobrir fósseis datados entre 500 mil e 1 milhão de anos.

No sábado, dia 2 de julho, o pequeno Martín Landini estava caminhando com seu pai pela praia de Mar Chiquita, em Buenos Aires, quando se deparou com diversos "ossinhos" amontoados num barranco. Ele não poderia imaginar que esse conjunto de restos de animais era um importante achado arqueológico.

Quem analisou a descoberta e reconheceu que se tratava de fósseis milenares foi o paleontólogo Matías Taglioretti, do Museu de Ciências Naturais Lorenzo Scaglia, de Mar del Plata, também na Argentina. "São cerca de 1,5 mil ossos de pequenos animais, que podem ser aves de rapina, sapos, rãs e roedores", conta o especialista à agência de notícias argentina Télam.

De acordo com o paleontólogo, o sítio arqueológico em Buenos Aires é conhecido na ciência como egregófito, que corresponde a um bolo de matéria orgânica não digerida por aves carnívoras – normalmente inclui penas e ossos. A análise do material poderá ajudar a identificar as espécies que foram digeridas, bem como o animal que se alimentou delas.

Matías Taglioretti lembra que a datação variando entre 500 mil e 1 milhão de anos ainda é superficial, já que será preciso analisar os fósseis com o sistema carbono 14, para que seja conhecida a verdadeira idade dos vestígios arqueológicos descobertos pelo menino Martín Landini.

Os ossos descobertos pelo garoto argentino correspondem a egregófitos, ou seja, restos de animais não digeridos(foto: Alejandro Moritz/Télam/Divulgação)
Os ossos descobertos pelo garoto argentino correspondem a egregófitos, ou seja, restos de animais não digeridos (foto: Alejandro Moritz/Télam/Divulgação)

(com Agência Télam)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade