Publicidade

Estado de Minas INTERNACIONAL

Chinês cria milhões de baratas para acabar com o lixo orgânico

Os 300 milhões de insetos são capazes de digerir 15 toneladas de resíduos


postado em 04/05/2018 17:47 / atualizado em 04/05/2018 17:51

Um ex-executivo da indústria farmacêutica deixou seu trabalho na região central da China para trabalhar numa fazenda de criação de baratas. O fazendeiro chinês está criando 300 milhões desses insetos com o intuito de usá-los no processamento de lixo orgânico. A informação foi divulgada pela agência chinesa de notícias China News Service.

A estimativa do ex-executivo Li Yanrong é de que, em apenas um dia, as baratas sejam capazes de consumir 15 toneladas de resíduos, o que equivale a um quarto de todo o lixo orgânico produzido no distrito de Zhangqiu, na província de Henan, onde está localizada a "fazenda inusitada".

"Estas baratas não têm medo de nada, seja macio, duro, azedo, doce, amargo ou picante", comenta o fazendeiro à China News Service.

Yanrong está há sete anos criando as baratas. Ele percebeu que elas são capazes de se alimentar de resíduos, digerir e excretar os subprodutos de elementos tóxicos como zinco ou ferro. É um processo muito mais sustentável do que a fermentação tradicional do lixo orgânico, que, além de cara, é considerada ineficiente e muito poluente.

De acordo com a agência chinesa, o fazendeiro pretende chegar a quatro bilhões de baratas, que serão capazes de processar nada menos que 200 toneladas de restos de comidas e vegetais todos os dias. Isso seria suficiente para processar todos os materiais produzidos pelo distrito de Zhangqiu e pelas cidades vizinhas.

Apesar de parecer algo repugnante para muita gente, as fazendas de baratas se expandiram em toda a China nos últimos anos, em grande parte, para atender à demanda da Medicina Tradicional Chinesa. A maior delas está em Xichang, sudoeste da província de Sichuan, onde são criados, todos os anos, seis bilhões de insetos adultos para serem vendidos para a indústria farmacêutica.

(com Agência Sputnik)

Os comentários não representam a opinião da revista e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade