Degradação do cerrado pode levar à extinção de milhares de plantas

Bioma perde cerca de 0,5% de área todos os anos

por Da redação com assessorias 04/06/2018 09:29

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Pixabay
(foto: Pixabay)
Com cerca de 13 mil espécies de plantas, o cerrado é um dos biomas mais ricos do mundo. O problema é que seus níveis de desmatamento são alarmantes. Segundo dados do Programa de Controle e Prevenção do Desmatamento, do Ministério do Meio-Ambiente, 9.483 km² de área foram degradadas apenas em 2015. Isso equivale a uma perda de quase 0,5% do total original do bioma esse ano. Para comparação, a Amazônia, entre 2014 e 2016, teve uma média de desmatamento de 6,4 mil km² ao ano. A diferença é que a floresta amazônica ocupa uma área mais de duas vezes maior que a do cerrado.

Segundo Paulo Bellonia, presidente da ONG SaveCerrado, a destruição acelerada do bioma se deve à falta de legislação que iniba o desmatamento predatório, além de outros fatores. "É exatamente no cerrado que existe a maior exploração do agronegócio, onde se destacam a criação de gado e a agricultura da soja em grande escala. As propriedades privadas próximas das unidades de conservação [UC's] são obrigadas a preservar somente 20% da área nativa, comprometendo a biodiversidade nessas regiões", comenta o ativista.

Ele defende a manutenção do agronegócio, mas em concomitância com as áreas de preservação, inclusive para a maior produtividade agrícola. "Várias propriedades não cumprem nem o mínimo de 20% de preservação determinado por lei, as chamadas áreas de reserva legal e nas UC's devemos fazer muito mais que isso", reclama Bellonia.

No ano passado, pesquisadores do Instituto Internacional para a Sustentabilidade e de outras instituições nacionais e internacionais divulgaram um artigo na revista científica Nature Ecology and Evolution contendo dados preocupantes sobre a conservação das matas no Brasil. Segundo a pesquisa, o cerrado perdeu 46% de sua vegetação nativa, e só cerca de 20% permanecem completamente intocados. Até 2050, no entanto, o bioma pode perder até 34% do que ainda resta.

Isso levaria à extinção 1.140 espécies endêmicas – um número oito vezes maior do que o de plantas extintas em todo o mundo desde o ano de 1.500, quando começaram os registros. Os pesquisadores apontam que em 30 anos o cerrado brasileiro pode ter a maior extinção de plantas da história.

Mas, ainda conforme o estudo, restaurando áreas do cerrado que foram menos degradadas e que são importantes para a biodiversidade, seria possível reverter até 83% dessas possíveis extinções.

Últimas notícias

Comentários