Garoto britânico adquire doença rara, do século XVIII

O jovem foi vítima da varíola bovina, comum no final do Renascimento

por João Paulo Martins 21/06/2018 08:49

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Wales News Service/Reprodução
O adolescente britânico adquiriu a varíola bovina após ter contato com animais da fazenda da família. A doença é extremamente rara e era típica do século XVIII (foto: Wales News Service/Reprodução)
Um caso curioso registrado no Reino Unido está chamando a atenção da mídia internacional: um adolescente foi infectado com o vírus da varíola bovina, que é incrivelmente raro e remonta à época do Renascimento, no século XVIII, quando a doença era mais comum.

Segundo a versão britânica do jornal Metro, o menino de 15 anos ficou com lesões vermelhas nas mãos, pés e braços depois de alimentar bezerros na fazenda da família. Imagens do garoto mostram caroços cheios de pus no corpo dele, causados %u200B%u200Bpelo vírus Vaccinia, que afeta o gado e era perigoso para os humanos no século XVIII.

O adolescente vive na região de Wrexham-Cheshire, no norte do País de Gales, e é o primeiro registro de varíola bovina nesse país desde 2003, conforme informação do Public Health Wales (sistema público de saúde galês).

A mãe do menino, que pediu para o filho não ser identificado, disse ao Metro que a família não sabia, até então, qual era o problema que o afligia. "Uma ferida em seu tornozelo estava me deixando preocupada. Saía um líquido claro de seu tornozelo", conta a britânica.

O adolescente foi mandado direto para o Hospital da Condessa, na cidade de Chester, onde foi diagnosticado com o vírus raríssimo. "Eu realmente não sabia o que era, então, fiquei muito preocupada. A primeira coisa que fiz foi procurar na internet e descobri que era algo muito raro", diz a mãe ao periódico. "Meu filho ficou bastante envergonhado. As lesões não eram agradáveis, especialmente para ele. Levou semanas para passar, foi muito tempo mesmo. Ele ainda tem algumas marcas da doença nas mãos", completa.

De acordo com a médica Aysha Javed, que foi responsável pelo diagnóstico do adolescente, esse é o primeiro caso de varíola bovina que ela viu em toda sua vida profissional. "Acho que o menino e a família ficaram bastante confusos quando revelamos. Eles não esperavam esse diagnóstico", comenta a especialista ao Metro. "Eu acho que a coceira foi muito forte para ele, mas não necessariamente dolorosa", complementa a médica.

O jornal britânico explica que a varíola bovina era muito comum em pessoas que trabalhavam com ordenha de vacas no século XVIII, e o vírus, que não é contagioso de pessoa para pessoa, quase desapareceu porque, atualmente, esse tipo de trabalhao manual se tornou raro, pois foi substituído pelas ordenhadeira mecânica.

Últimas notícias

Comentários