Choperia Albanos passa a oferecer 'experiência' para clientes

Com 22 anos de existência a casa se reinventa e aposta em uma plataforma em que a cerveja é estrela. Outra grande novidade é que os clientes podem produzir sua própria receita, além de ter aulas sobre o assunto, comprar insumos para a fabricação ou, simplesmente, sentir o prazer de tomar uma bebida artesanal

por Carolina Daher 14/05/2018 15:05

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Ronaldo Dolabella/Encontro
A unidade no Sion ganha decoração industrial: cliente pode escolher entre 11 diferentes chopes da marca e de cervejarias convidadas (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Faz tempo, muito tempo, em que o cliente abria o cardápio de um bar e encontrava ali quatro ou cinco opções de cerveja (do mesmo tipo, provavelmente pilsen) que vinham em garrafas parecidas, muitas vezes vindas da mesma fábrica. Há duas décadas, com a chegada das primeiras cervejarias artesanais, os amantes da "loira gelada" se viram cercados de sabores, aromas e tipos de cerveja até então desconhecidas. Vieram as pale ale, weiss, session IPA... Abriram-se as portas para um mundo novo. Uma das primeiras casas a investir nesse universo foi a Cervejaria Albanos, que há 22 anos fincou sua bandeira na rua Pium-í, no Sion. "Com o tempo, amadureci como empresário e, hoje, meu olhar está voltado para o coletivo", explica o diretor geral do grupo, Rodrigo Ferraz. "Não queremos ser apenas mais uma garrafa na prateleira, mas fomentar e fortalecer a cultura da cerveja artesanal em BH. Atrair cada vez mais pessoas para esse mercado."

Tudo isso apenas para dizer que Rodrigo está pronto para abrir uma nova porta. Depois de um ano de reformulação, sua empresa volta com um conceito inédito. Agora batizada como Plataforma Albanos de Cerveja, a marca terá três pontos - a fábrica, no Jardim Canadá, a Cervejaria Albanos do Brasil (C.A.BRA); o Hub de Cerveja, no Sion; e o Bar Conceito, em Lourdes. "Vamos englobar tudo sobre o assunto em um só lugar", resume o diretor executivo, Felipe Ferraz Tavares.

Ronaldo Dolabella/Encontro
Os diretores Felipe Ferraz Tavares e Rodrigo Ferraz: tudo sobre o universo da cerveja em um só lugar (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Ou seja, mais do que apenas beber uma cerveja, os consumidores poderão viver uma experiência completa nos endereços da rede, com inauguração prevista no início de maio. A começar pela tradicional loja da Pium-í. Com um projeto com um quê de industrial e moderno assinado pelo arquiteto Luiz Gustavo Vieira, o lugar passa a funcionar como uma minifábrica de cerveja em pleno Sion. Equipado com a tecnologia moderna e com capacidade de 500 litros por produção, o espaço pode ser alugado para que o cliente crie a sua própria cerveja, com consultoria de profissionais experientes. "Os noivos, por exemplo, podem reunir os amigos, criar sua própria cerveja, com sabor e rótulo exclusivo, para servir no dia do casamento", explica Rodrigo. O local conta também com uma unidade da Casa Olec, especializada na venda de insumos e equipamentos para produção de cerveja; um espaço para eventos e uma growler station. E, claro, um brew pub com capacidade para 80 pessoas. Com 11 torneiras no local - seis do próprio Albanos, e cinco de cervejarias e parceiros convidados -, os frequentadores poderão provar a bebida fresca, em copos e temperatura específicos para cada tipo. No menu, petiscos ideais para serem compartilhados, como o bolinho de canjiquinha recheado de costelinha servido com barbecue de cerveja e a carne serenada grelhada com chimichurri e farofa de pão. Para os mais famintos, são seis sanduíches. Entre eles, o diferentão Curry Wurst, pão de cachorro-quente tostado, salsicha Frankfurt, repolho roxo agridoce e catchup caseiro de curry.

Outro ponto que chama a atenção é a Escola de Cerveja, que funciona em um andar do imóvel no Sion. Em parceria com a Academia de Sommelier de Cerveja e com a Escola Superior de Cerveja e Malte (ESCM), o espaço oferece desde workshops sobre cultura cervejeira e degustação dirigida até cursos mais avançados, destinados a profissionais do ramo. "Teremos curso de sommelier, com duração de um semestre e o Master em Estilo, oferecido pela primeira vez fora de Blumenau", comemora Felipe.

Ronaldo Dolabella/Encontro
O chef Márcio Antônio: valorização de ingredientes regionais em receitas clássicas de boteco (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Já a unidade de Lourdes foi batizada como Bar Conceito. No casarão de 1936, a aposta é na gastronomia. O cardápio foi reformulado para valorizar ingredientes mineiros e produtos regionais. "Não somos um boteco nem um restaurante. Criamos pratos que harmonizam perfeitamente com as nossas cervejas", explica o chef Márcio Santoro. Assim, clássicos de botecos ganharam uma apresentação descontraída, como o queijo quente com torrada de pastel (chapa de queijo da Canastra derretido com massa de pastel crocante, molho de jabuticaba e geleia de pimenta). Já entre os pratos principais, o chef aposta no tornedor de costelinha, uma costelinha desfiada e enformada servida com canjica branca ao limão, farinha de alho e molho da própria costelinha.

Contrastando com a culinária de raiz, a tecnologia QR Code é usada para apresentar um pouco mais sobre a história e a receita de cada prato. Virtualmente, o chef explica sua inspiração para criar cada receita. Para os que ainda continuam com fome de aprendizado, serão ministradas aulas na cozinha aberta, voltada para o salão. "A ideia é sempre fazermos eventos de cozinha ao vivo com grandes chefs do Brasil", diz Rodrigo.

Fechando a Plataforma, a Cervejaria Albanos do Brasil - C.A.BRA, em funcionamento há três anos no Jardim Canadá, continua sendo um local de pesquisas e testes para criação de novos sabores. Com capacidade produtiva de 1,8 milhão de litros anuais, a fábrica funciona de forma compartilhada, onde outros produtores podem criar sua cerveja. Atualmente, saem dali as bebidas da Sátira, Bend Beer, Pub, Fürst e Duke’n’Duke. Além dos seis novos rótulos do próprio Albanos (veja a imagem no fim do texto). "Acreditamos no desenvolvimento do mercado através da colaboração e queremos ser conectores nesse cenário. O futuro é esse", afirma Rodrigo, um empresário acostumado a andar lá na frente.

Para aprender se divertindo


A Plataforma Albanos investiu em tecnologia. Com um óculos especial, os clientes podem ter detalhes sobre as cervejas que estão consumindo. Na realidade virtual, cada rótulo é apresentado pela beer sommelier Fabiana Arreguy e pelo mestre cervejeiro Pablo Carvalho, que dão informações sobre o produto. Já na realidade aumentada, é possível aprender sobre harmonizações, copos e temperaturas ideais.

Alguns dos pratos que serão servidos nas duas casas Albanos. Enquanto a unidade de Lourdes será mais dedicada à gastronomia, a do Sion aposta nas cervejas
Ronaldo Dolabella/Encontro
Queijo quente com torrada de pastel com molho de jabuticaba e geleia de pimenta (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Ronaldo Dolabella/Encontro
Filé a cavalo servido com molho cremoso de chimichurri, batatas rústicas e arroz à provençal (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Ronaldo Dolabella/Encontro
Croquetes de linguiça caseira servidos com cebola caramelizada (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)
Ronaldo Dolabella/Encontro
Empadinhas de frango caipira desfiado, farofa crocante, muçarela artesanal e disco crocante de massa folhada servidas na xícara (foto: Ronaldo Dolabella/Encontro)

Últimas notícias

Comentários